Page 38 - Sinergia_53_PT
P. 38

EUROPA
EGF PARTICIPA
NO 12o FÓRUM NACIONAL DE RESÍDUOS
O SETOR DOS RESÍDUOS DEBATEU A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA CIRCULAR, OS NOVOS DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA A PRÓXIMA DÉCADA.
38
MARTA NEVES
Administradora da EGF.
O 12o Fórum Nacional de Resíduos decorreu em Lisboa, organizado
pelo jornal Água&Ambiente, e contou com o apoio da EGF. O evento
recebeu a presença do Secretário de Estado do Ambiente e durante dois dias foram discutidos os principais desa os para o futuro do setor. Este ano, o Fórum Nacional de Resíduos privilegiou o
debate em torno da economia circular, regulamentação tarifária e gestão dos  uxos de resíduos especí cos, numa altura em que o Parlamento Europeu aprovou a nova Diretiva de Resíduos, que vem impor metas mais ambiciosas para 2030.
O painel de oradores contou com
a presença da Administradora da EGF, Marta Neves, que teve oportunidade de apresentar um balanço nacional sobre
o posicionamento face às metas. Marta Neves a rma que “é necessário olhar para o futuro e pensar qual a melhor maneira de alcançarmos as metas e prestarmos o melhor serviço ao cidadão, e é nisso que a EGF está focada. Há uma aposta clara na evolução da recolha
seletiva. O novo plano de investimentos da EGF, que já foi apresentado à ERSAR, está muito focado nesta obrigação de aumentar os números”.
Neste momento, existe um grupo
de trabalho constituído pelo Governo
e liderado pela Agência Portuguesa
do Ambiente, para discutir a revisão
do PERSU 2020, em que a EGF é uma
das entidades auscultadas. De acordo
com o Secretário de Estado, em junho serão anunciados os termos em que
se procederá à revisão, tendo já como horizonte 2025. Para a Administradora
da EGF, esta perspectiva a longo prazo "faz todo o sentido, atendendo ao atraso que houve na atribuição do  nanciamento do POSEUR e que impediu a realização dos investimentos durante dois anos.”
Na sua intervenção, a propósito da concorrência nas entidades gestoras de embalagens, o Secretário de Estado do Ambiente aproveitou também para avisar que “a cassação de licenças emitidas poderá ser um instrumento a usar no futuro”.
PORTUGAL


































































































   36   37   38   39   40